O Pastor e o Guerrilheiro, novo longa de José Eduardo Belmonte, tem première no Festival do Rio

A exibição acontece nesta quinta-feira (13), na mostra Première Brasil

A trama atravessa as décadas de 1960, 1970 e os últimos dias de 1999. (Foto: Filipe Duque/Divulgação).

Depois de estrear no Festival de Gramado, o filme O Pastor e o Guerrilheiro, do diretor José Eduardo Belmonte, tem sua première nesta quinta-feira (13), no Festival do Rio. A exibição acontece na mostra Première Brasil, no Cine Odeon, com a presença do elenco e convidados. Com distribuição da A2 Filmes, a produção está prevista para chegar aos cinemas brasileiros em janeiro de 2023.

A história, que atravessa as décadas de 1960, 1970 e os últimos dias de 1999, começa em 1968, quando o jovem comunista João deixa a universidade e vai para uma guerrilha na Amazônia. Lá ele é preso, torturado e enviado para a prisão em Brasília, onde encontra Zaqueu, um cristão evangélico, preso por engano. Eles sofrem juntos, superam diferenças ideológicas, se ajudam e marcam um encontro para 27 anos depois, à meia-noite, na virada do milênio, em cima da Torre de TV de Brasília. A trama é estrelada por Johnny Massaro, Julia Dalavia, César Mello, Cássia Kis, Túlio Starling, Ana Hartmann, William Costa, Antônio Grassi, Buda Lira, Gabriela Corrêa, Ricardo Gelli e, em seu último trabalho, o saudoso Sérgio Mamberti.

Produzido por Nilson Rodrigues e com o roteiro de Josefina Trotta, inspirado em uma história real de José Eduardo Belmonte, o filme foi rodado no Estado do Tocantins, às margens do Rio Araguaia, e em Brasília, e conta com a produção executiva de Caetano Curi, direção de fotografia de Bárbara Alvarez, direção de arte de Ana Paula Cardoso, direção de produção de Larissa Rolin, música de Sascha Kratzer e figurino de Diana Brandão.

Leia Mais
“Um Raio”, do músico Lã, traz clipe com imagens produzidas por inteligência artificial sobre o fim da vida