A Cinderela revisitada. (Foto: Divulgação).
A Cinderela revisitada. (Foto: Divulgação).
A Cinderela revisitada. (Foto: Divulgação).

Cinderela feminista, brege e pop: só podia ser no Pará

Por Iara Lima

Tá, mentira, eu descobri mesmo em dezembro de 2014, quando do lançamento desse curta-metragem paraense que gravita em torno do universo do tecnopop, aparelhagem e do brega da terra de Pinduca. Trata-se de uma releitura feminista da fábula de Cinderela, a gata borralheira atormentada pela madrasta e suas duas irmãs. Mas contada com bastante humor.

Leia Mais
A cena pop do Pará não tem limites

Aqui, entretanto, a história é contada pelo viés de Stephany, interpretada pela webcelebridade paraense Samara Castro (canal de Samara no Youtube) que é obrigada a bater e adulterar o açaí vendido por sua mãe e suas irmãs Miranda (A.K.A. Paulo Colucci, a famosa Aleijada Hipócrita) e Rafaela (interpretada por Isis Vieira, componente do coletivo de humor local Youtube com Farinha).

Stephany explora o universo da periferia paraense. Mora no bairro da Sacramenta e sonha em ganhar o prêmio Siriá da Sorte e abandonar aquela vida. O anúncio do aniversário do DJ Davison, entretanto, a faz suspirar e surgir sua fada-madrinha, interpretada por Keila Gentil, da Gang do Eletro, que irá ajudá-la a ir à noite de tecnobrega. Aqui, merece destaque sua versão – com muita pinta – para o clássico ‘Bibidi-Bobidi-Bu’, originalmente no filme da Disney.

Não contarei o resto, mas vale conferir os 14 minutos de imersão da estética visual e musical da música contemporânea de Belém. Ah, como não poderia deixar de ser, Gaby Amarantos e Leona, a Assassina Vingativa também fazem suas participações especiais no filme. Se você quiser conferir mais de pertinho o mainstream paraense, te recomendo o site http://www.paramusica.com.br, que tem dicas ótimas. Abaixo, colocarei alguns dos meus preferidos ok?

Felipe Cordeiro

Manoel Cordeiro

Aíla

Camila Honda

Dona Onete

Mestres das guitarradas

Pinduca

Luê

Leia Mais
Eu Curto, Tu Curtes, Ele, o Curta: a importância da crítica de cinema