Foto: Tom Tramis.

A violinista paulistana Ana de Oliveira e compositor multi-instrumentista pernambucano Sérgio Ferraz, ambos radicados no Rio de Janeiro, lançam disco de música instrumental inspirados pelo sertão e com homenagem à Egberto Gismonti.

Carta de Amor e Outras Histórias traz composições de Sérgio Ferraz e de Egberto Gismonti, com participação especial do percussionista Marcos Suzano. Já dá pra ouvir em todas as plataformas digitais.

Nascido em 2018 durante o MIMO Festival em Olinda, o duo aborda repertório com principal enfoque em obras de compositores que são referências para os dois artistas, como Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, John McLaughlin, Al Di Meola, Paganini, Tom Jobim, Villa-Lobos, além de obras autorais de Sérgio Ferraz. Ana tem longa atuação como spalla de importantes orquestras e grupos de câmara brasileiros e Sérgio é um experiente compositor com diversos discos já lançados, referência na música instrumental brasileira.

No disco, o violino de Ana de Oliveira se transfigura em rabeca e os violões de oito e doze cordas de Sérgio Ferraz remetem a uma viagem ao vasto sertão sonoro proposto pelos dois musicistas.

O disco começa com o samba-baião “Floresta do Navio”, que foi composto em homenagem à Floresta, cidade natal do pai do compositor no sertão pernambucano. “Mestre Salu” (1º movimento) é dedicado ao rabequeiro e mestre de maracatu rural, Mestre Salustiano e representa a união da cultura erudita e popular. O segundo movimento, “Lamento” expressa a aridez do deserto, as origens mouras quando essa cultura dominou a península ibérica deixando lá seus traços culturais. Já o movimento seguinte, “Zumbi”, apresenta-se como um maracatu de baque virado dedicado ao líder negro Zumbi dos Palmares. “Festa na Aldeia” conclui os quatro movimentos e nos remete às danças medievais e às danças populares do Nordeste brasileiro.

Carta de Amor e Outras Histórias saiu no final do ano passado e tem capa assinada pelo artista plástico pernambucano Romero Andrade Lima.

Leia Mais
Pernambucanos Valdi Afonjah e Isaar vão ao encontro às suas raízes e ancestralidade em turnê na África