A revista Plaf, publicação impressa especializada em quadrinhos, chega ao sexto número com uma capa que discute diferentes perspectivas do fim do mundo abordadas nas HQs. Ampliando o debate para além da ficção-científica, a reportagem tenta compreender o apocalipse díário que já acontece no nosso cotidiano. A edição traz capa de Greg (um dos autores d’O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos, finalista do Jabuti) e já está à venda em nosso site. Nas próximas semanas chegará às lojas especializadas em quadrinhos, bancas e livrarias selecionadas.

A revista traz ainda um papo com a dupla Jefferson Costa e Rafael Calça, autores do sucesso Jeremias – Pele e Jeremias – Alma. Eles comentam sobre a responsabilidade de trabalhar questões como racismo e ancestralidade a partir do primeiro personagem negro da Turma da Mônica.

Entre os textos da edição temos ainda um ensaio sobre o papel da crítica de quadrinhos e um olhar sobre a precariedade do parque gráfico brasileiro – e o que pode ser feito. Resgatamos a obra de Cynthia Carvalho com o seu Leão Negro, espécie rara na HQ BR e o trabalho de Pestana, um dos mais importantes autores brasileiros de quadrinhos. Pra completar, trouxemos uma matéria sobre o fascinante e perturbador universo dos mangás de horror.

As HQs inéditas desta edição: Greg traz um vislumbre de um cenário pós-apocalíptico; Flavão fala sobre desver o mundo; Diana Salu apresenta uma reflexão sobre se movimentar no isolamento e Dika Araújo fala de saudade. Fechando a revista, uma HQ de Luciano Félix sobre o dinheiro de Deus.

A revista Plaf tem o incentivo do Funcultura – Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura, do Governo do Estado de Pernambuco.

A revista custa R$ 20 e pode ser adquirida em nosso site. A Plaf n. 6 tem 60 páginas coloridas, papel couché fosco 150g e acabamento envernizado na capa, papel couché fosco 90g no miolo, tamanho 21x28cm.

A Plaf tem edição de Paulo Floro, Dandara Palankof e Carol Almeida. A edição de arte e diagramação por Erika Simona e Igor Colares. Logo por Erika Simona. Revisão de Sergio Costa Floro e produção editorial por Alexandre Figueirôa e Paulo Floro.

Leia Mais
Karine Teles, de Bacurau e Manhãs de Setembro fala sobre carreira, pandemia e o desmonte no audiovisual: “somos demonizados como vilões”