Projeto FERA promove formação em audiovisual gratuita e online no Recife

O projeto é voltado para profissionais do audiovisual, mulheres cis ou trans, pessoas não binárias ou transmasculinos

Foto: Divulgação.

As profissionais do audiovisual, mulheres cis ou trans, pessoas não binárias ou transmasculinos ainda podem se escrever para participar da segunda edição do projeto FERA. A iniciativa é realizada e produzida pela Zumbayllu Mesmo Assim A Gente Faz, e traz como novidade o FERA LAB, um laboratório de desenvolvimento de projetos audiovisuais.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas através do link, até o dia 28 de fevereiro.

O projeto conta com o apoio da Secretaria Estadual de Cultura e a Fundação de Cultura da Cidade do Recife, por meio do Edital Sérgio Valença Pezão de Formação Técnica – Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc.

Desta vez, as atividades irão acontecer no ambiente virtual, devido à pandemia da Covid-19. É importante lembrar que a vivência online é voltada para pessoas residentes ou atuantes no Recife, maiores de 18 anos e com no mínimo três anos de experiência área audiovisual.

Serão selecionados 20 projetos para o FERA LAB. Para concorrer a uma bolsa no valor de R$ 5 mil, as selecionadas terão que participar de todas as atividades do projeto FERA LAB e desenvolver os seus projetos audiovisuais.

“Eu acredito que só cresce, essa união e articulação entre as mulheres. Ela é essencial para que nós estejamos ocupando todos os espaços. Desde a direção, som, roteiro e a criação das nossas histórias narrativas; na curadoria, nos júris e em todas as instâncias”, ressaltou a produtora e participante da 1ª edição FERA, Melina Bomfim.

Na programação haverá consultorias individuais de roteiro e produção para os projetos selecionados, além de quatro oficinas intensivas nas áreas de Direção, Som Direto, Direção de Fotografia e Montagem. Todas as oficinas serão destinadas às 20 pessoas selecionadas e também a outras 10 profissionais que queiram se aperfeiçoar em suas respectivas áreas de atuação. A vivência ainda contará com cinco masterclasses que serão abertas para o público em geral.

Ao longo das cinco semanas da jornada formativa, as atividades serão direcionadas ao aprimoramento dos projetos audiovisuais em fase de desenvolvimento, capacitação e aperfeiçoamento das habilidades criativas, técnicas de roteiros e produção do audiovisual.

“Em um contexto tão difícil para a cultura e o audiovisual, encontros e vivências formativas como o FERA são mais necessários do que nunca, para nos fortalecermos e encontrarmos mesmo que remotamente. E não perdermos a coragem de produzir nossas obras, expressar nossas ideias e visões de mundo. Queremos ver mais equidade de gênero e diversidade nas telas e atrás das câmeras!”, explica a idealizadora do projeto, Amandine Goisbault.

Leia Mais
Fabiana Moares discute a importância da pauta jornalística na retratação de grupos sociais historicamente oprimidos em nova obra