As duas integrantes das Pussy Riot (Foto: Reprodução/AmnestyInternational/Scmp.com)
As duas integrantes das Pussy Riot (Foto: Reprodução/AmnestyInternational/Scmp.com)

As integrantes mais conhecidas do grupo punk russo feminista Pussy Riot, Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova, estão processando o governo russo por violação dos direitos humanos enquanto estavam presas. O caso será levado para a Corte Europeia de Direitos Humanos.

Elas foram beneficiadas por uma anistia depois de passarem 21 meses presas por causa de um ato de protesto em uma catedral de Moscou em 2012.

Maria e Nadezhda pedem uma indenização de 161 mil dólares para cada uma pelo tratamento que receberam durante a investigação e processo do caso, além de cerca de 10 mil dólares em honorários. Essa compensação financeira pode surpreender a quem acompanha a trajetória das Pussy Riot, conhecida pela dissidência através de performances artísticas.

Leia nossa cobertura sobre as Pussy Riot

No entanto, a ação judicial é uma estratégia das integrantes para abrir um precedente importante no judiciário russo. A sugestão partiu da equipe de advogados que assessora o grupo. “Elas querem levar esse caso para mostrar que os russos podem falar publicamente de assuntos políticos delicados, mesmo se o discurso não for apoiado pela maioria”, explicou ao The Guardian Pavel Chikov, líder do time legal que representa as integrantes, a Agora. “Elas não tiveram um julgamento justo aqui na Rússia então queremos que isto finalmente aconteça, desta vez na Corte Europeia.”

Maria e Nadezhda foram condenadas em 2012 a dois anos de cadeia por “vandalismo motivado por ódio religioso”, após tocarem uma oração punk na Catedral do Cristo Salvador, em Moscou. Depois que foram soltas após uma anistia em dezembro do ano passado elas têm rodado o mundo para criticar a política russa e as violações dos direitos humanos no país.

Elas também fundaram uma ONG que busca melhorar o tratamento dado aos prisioneiros em todo mundo, a Zona Prava.

Leia Mais
O que as Pussy Riot tem a ver conosco
Annie faz música de protesto contra lei anti-gay russa
Um calendário contra a homofobia
Pussy Riot são soltas após anistia

Pussy Riot mudou  cara do ativismo na Rússia (Foto: PussyRiot.Org/Reprodução)
Pussy Riot mudou cara do ativismo na Rússia (Foto: PussyRiot.Org/Reprodução)
Leia Mais
Adeus a Elifas Andreato, autor de capas icônicas da MPB