Crítica: Belle and Sebastian entrega o que os fãs querem em retorno inspirado em Late Developers

Late Developers traz de volta o talento do grupo escocês em criar letras sensíveis carregadas pelo indie-pop

Crítica: Belle and Sebastian entrega o que os fãs querem em retorno inspirado em Late Developers

Late Developers traz de volta o talento do grupo escocês em criar letras sensíveis carregadas pelo indie-pop

Crítica: Belle and Sebastian entrega o que os fãs querem em retorno inspirado em Late Developers
4

Belle and Sebastian
Late Developers
Matador Records, 2023; Gênero: Pop, Rock

A banda escocesa Belle and Sebastian vem fazendo desde o ano passado com A Bit Of Previous, uma reconciliação com seu passado pop, sensível e cheio de nostalgia. Este Late Developers foi feito nas mesmas sessões de estúdio do trabalho anterior, o que dá pra considerá-lo como um disco-irmão do anterior. Nesta nova fase, a banda parece recompensar os fãs por anos e anos de apoio ao retomar um projeto consistente testado e aprovado em seus primeiros trabalhos.

A Bit of Previous e Late Developers chega em um momento oportuno em que novas gerações de ouvintes passam a conhecer o trabalho do Belle and Sebastian, que foi muito ligado a uma era pré-streaming, em que fãs compravam CDs e baixavam seus álbuns em apps como o Soulseek e Kazaa. Antes desse retorno, o grupo vinha de projetos mais experimentais, de resultados irregulares, como How To Solve Our Human Problems (em três partes).

Late Developers soa irresistível porque recupera a sensibilidade nas letras, que discute questões prosaicas, porém universais, vivenciadas por todos nós. E faz isso imaginando situações, personagens e ambientações que só os bons compositores-escritores conseguem. É o caso de “When We Were Very Young” e “I Don’t Know What You See In Me”.

Foto: Anna Crola/Divulgação.

E o modo como a banda consegue unir isso a um indie-pop fácil, porém cheio de nuances, é de impressionar. Muito bom ver que o grupo retornou à boa forma que tinha em seus primeiros discos, mas sem soar oportunista e com um frescor de novidade. Um dos melhores trabalhos do grupo desde The Life Pursuit, de 2006.

Mais resenhas de discos

Leia Mais
Em sua 19ª edição, Pré-AMP retoma mostra competitiva com shows no Armazém do Campo