CARAÍBA
Flavio Colin
[Desiderata, 120 páginas, 2007]

Este texto foi publicado originalmente na edição impressa da revista Plaf. Você também pode ler todas as edições passadas em pdf e aqui comprar a edição atual.

Por Paulo Cecconi

Um pouco sobre Colin: ele amava o Brasil, abominava super-heróis estrangeiros e não obteve o devido reconhecimento pelo seu trabalho em vida. Por isso, a divulgação de suas obras ainda é muito importante, e Caraíba faz parte da coleção.

A natureza e o folclore brasileiro eram temas recorrentes nos gibis do Colin, abordados em álbuns como Mapinguari (Opera Graphica) e O Curupira (Pixel), mas é Caraíba, publicado pela Desiderata, cinco anos após sua morte, um dos gibis que mais merece destaque.

Caraíba representou muita luta e decepção para Colin. Tentou publicar no Brasil e não conseguiu. Tentou publicar na Europa e não deu certo. Além disso, segundo o próprio Colin, só recebeu de volta os originais da primeira história. Tudo bem. Também segundo ele, Caraíba é um gibi para o público brasileiro.

Caraíba era um caçador dos bons, conhecedor das matas, que trabalhava para um traficante de peles. Um dia, encontra o Curupira e muda completamente de atitude. Vira o protetor da floresta amazônica.

Com a arte de Colin no auge de sua estilização, o costumeiro impacto que causa, seu domínio narrativo, a notória expressividade de seus desenhos e histórias sobre a natureza que nunca poderiam ser confundidas com uma reles tentativa de educação panfletária, Caraíba não é só um dos gibis mais lindos do autor, como um dos mais importantes. 

A edição da Desiderata traz três histórias do projeto original de Colin (dos anos 1980), em formato álbum, o que valoriza a arte do autor, com painéis grandes e espaçosos, além de vários textos e curiosidades.

O reconhecimento era algo distante de Colin em vida. Eu adoraria que sua existência póstuma tivesse maior visibilidade. 

Leia Mais
Linn da Quebrada divulga segundo disco de remixes de Pajubá (e um clipe com Davi Sabbag)