6.5

Dependentes de algoritmo de streaming, o She-Devils é uma descoberta improvável dentro de milhares de lançamentos que chegam aos ouvidos toda semana

A dupla canadense She-Devils é aquela típica descoberta que só se faz possível com a popularização do streaming. Passei tanto tempo ouvindo Water Curses do Animal Collective e a banda Hater, que por sua vez foi outra descoberta dessas aleatórias, que acabei vendo o She-Devils nas recomendações.

Leia Mais
Mono No Aware e o ambient music longe do clichê
Black Mantra faz instrumental dançante na estreia
Boogarins saem da zona de conforto em novo disco

Naturais de Montréal eles tinham apenas um EP e singles na web e chegam agora com disco cheio. A produção retrô dá o tom aqui com quase nenhum avanço no que diz respeito às letras ou sonoridade dentro do gênero que escolheram. Em sua grande parte é um trabalho gostoso de ouvir. Mesclando referências de psych pop com riffs oriundos do rock setentista temos faixas interessantes como “Blooming” e “How Do You Feel”, além de “Come”, que saiu como single. Mas grande parte do disco soa repetitivo, como se eles não tivessem muito mais o que dizer.

Também incomoda o tom excessivamente ingênuo, quase infantil, que perpassa grande parte do álbum. Em outro momento da música pop o She-Devils precisaria bem mais do que um algoritmo de streaming para se destacar frente aos ouvintes.

Leia Mais
Marília Parente faz mergulho na psicodelia nordestina no clipe de “Tristeza Não Existe”