Cemitérios clandestinos (Cepe) é o sexto livro de poemas do escritor, jornalista, livreiro e poeta . O lançamento acontece nesta sexta-feira, dia 22, às 19h, no Sebo Casa Azul, reduto poético de Olinda criado pelo autor. O trabalho traz o olhar subjetivo do autor às questões bem contemporâneas do Brasil.

O título, de 136 páginas, faz referência ao que está oculto, à perplexidade em relação aos rumos seguidos pelo País, à escalada de violência social, censura nas artes, devastação na Amazônia. A cada dia é um bombardeio nas conquistas populares. “Moro em Olinda e vejo a abordagem da polícia com os negros, imagina como é o tratamento na periferia, imagina como tratam a causa indígena, o avanço da grilagem?”, questiona.

Entretanto, Cemitérios clandestinos é sutil, metafórico. Em nenhum poema mostra-se panfletário, diz Samarone. “Na verdade tenho dificuldade de escrever poesia engajada. Gosto de metáforas. Quantos cemitérios há em mim? Ao mesmo tempo vivemos num País com cemitérios em todo canto”.

Samarone conta que foi de forma poética conseguiu dar vazão a esse sentimento em relação aos tempos atuais, que considera um tormento. “Tudo é muito agressivo, destrutivo. Parece que para quem está na presidência o povo é o inimigo.  

O livro tem 136 páginas e custa R$ 25. O Sebo Casa Azul fica na Rua de São Bento, 247, Carmo, Olinda.

Sem mais artigos