BARBA EM ALTA (DE NOVO)
Antes da turnê, que passa pelo festival Abril Pro Rock, o baterista Rodrigo Barba conversa sobre o cotidiano dos integrantes e da velha – e frustrada – expectativa dos fãs por um retorno definitivo

Por Rafaella Soares
Da Revista O Grito!

Na próxima sexta-feira (20), a hermanomania estará de volta ao Recife. Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Bruno Medina e Rodrigo Barba retornam ao Abril Pro Rock, onde estiveram pela primeira vez em 1999, e em 2010 retornaram triunfais, após um recesso anunciado três anos antes.

Leia Mais: Los Hermanos
Discografia da banda em vinil de luxo
O novo disco de Marcelo Camelo
A programação completa do Abril Pro Rock

A banda carioca Los Hermanos estará reunida em sua formação original para celebrar 20 anos de APR e 15 anos de carreira. Além do início de uma turnê que vai percorrer dez cidades, para os fãs, a expectativa é de que uma das mais emblemáticas do cenário musical nacional nas últimas décadas esteja de volta.

Apesar disso, não há qualquer gravação ou outras datas previstas. A divulgação prefere sustentar que se trata de um encontro para durar apenas dois meses e, que após as datas, os integrantes devem retornar aos seus trabalhos. O baterista Rodrigo Barba respondeu por e-mail algumas perguntas da Revista O Grito!

O baterista Rodrigo Barba (Foto: Caroline Bittencourt)

Como é a dinâmica do grupo quando se encontram? Digo isso, pois todos estão morando fora e envolvidos com outros projetos.
A dinâmica é muito parecida com a que tínhamos. Os anos passaram mas continuamos no mesmo clima!

Quando se passa um certo tempo conhecendo gente nos estúdios por onde grava e tocando com pessoas diferentes, desperta a sensação de ter de volta a intimidade dos antigos comparsas?
Tocamos juntos desde antes dos 20 anos, por isso acho que mesmo tocando com outras pessoas o que nós temos é único. E sempre que voltamos a tocar junto essa sensação volta.

Como é a relação de vocês com as músicas desses quatro discos de estúdio? Como é a sensação ao voltar a ensaiá-las: reverência nostalgica, e saudade de quando foram compostas, ou vontade de produzir coisas novas inteiramente diferentes?
Cada música é um caso. Tem música que todos querem tocar, têm outras que nem todos querem, tem música que a gente nem lembra como era, tem outras que sem ensaiar já saem de primeira. Para produzir material novo a gente precisa de mais tempo e nesses encontros nunca temos esse tempo.

A Maria Ribeiro acompanha vocês para todo lado. Ela irá fazer um documentário? Ou mesmo um livro de fotos?
A Maria vai nos acompanhar em alguns shows para produzir um documentário. E a Carol Bittencourt vai estar em todos os shows fotografando.

Com o Marcelo focado neste terceiro disco solo, dá para esperar algo inédito da banda?
Dessa vez ainda não.

O que vocês andam ouvindo atualmente? As referências influenciam de alguma forma como se comportam no palco?
Não sei exatamente o que os outros integrantes estão escutando. Eu continuo escutando muito rock. E o que eu escuto acaba sim influenciando como vou tocar. Acabo mudando alguns arranjos com base no que estou gostando agora.

Leia Mais
Silvério Pessoa inicia nova fase com show do novo disco Sangue de Amor, no Recife