“Siena”, nova música de π Teco Martins, traz caos e coletividade como força artística

A canção antecipa o novo álbum do artista que está previsto para 2023

Para o novo single, Martins escolheu a cor índigo como símbolo. (Foto: Divulgação).

Inspirado pela tradição italiana do Palio di Siena, uma corrida de cavalos caótica em volta de uma enorme praça onde vence o primeiro cavalo, mesmo que o seu jóquei tenha ficado pelo caminho, π Teco Martins lança a faixa “Siena”. A canção é um jazz cigano envolvente que antecipa o novo álbum do artista. Esse processo de se entregar à arte e testar novos caminhos faz parte da sua trajetória singular, principalmente de um capítulo de sua vida que ele quer colocar em destaque neste lançamento: a big-band performática e de influência circense Sala Espacial.

“O Sala Espacial surgiu em uma casa que a gente alugou e moramos juntos, todos artistas. Um dia, aconteceu uma tragédia incendiária e essa casa pegou fogo. As pessoas que ficaram, além de dispostas a reconstruir a casa, formaram uma banda. Chegamos a lançar um disco chamado Casa Moxei, em 2015, mas o show era o que o projeto tinha de mais marcante. Chegamos a ter 16 membros, com performance circense, pirotécnica e musical, indo do jazz ao forró, da música africana ao punk, do eletrônico ao erudito”, conta Martins.

Com duas décadas de uma carreira eclética e multicultural, π Teco Martins coloca sua vida e arte como um prisma sendo tocado pela luz e dissecado em cores para seu novo álbum, previsto para o ano que vem. Espectro Solar vai trazer o rock, a MPB, os tons mântricos, eletrônicos e eruditos em faixas auto-biográficas, cada uma representando uma faceta do artista e uma das cores do espectro visual. Para o novo single, ele escolheu o índigo como símbolo.

Todas as bandeiras, crenças, sorrisos, lágrimas, cicatrizes e histórias acumuladas na estrada da vida de um artista estarão no biográfico álbum, previsto para 2023. A nova música se une aos já lançados singles e clipes “Entrelaçados” (com a cor azul), “Plante A Sua Comida!” (com a cor verde), “Pedras no Mar” (com a cor laranja), “Meu Filho, Ouro da Vida” (com a cor amarela) e “Do Oiapoque ao Chuí” (com a cor vermelha).

“Siena” conta com produção musical de Martins e Guilherme Chiappetta, que também assina a mixagem e masterização.

Leia Mais
Exposição homenageia o legado da caruaruense Luisa Maciel