Janeiro sempre começa lento em lançamentos, como é de costume. Porém, as editoras já começam a pensar estratégias e anunciar as novidades para o ano que começa. A Veneta divulgou uma lista bem interessante de títulos em quadrinhos que incluem novas HQs de Milo Manara, a volta de Marcelo Bicalho e mais um volume da série Love & Rockets, de Gilbert Hernandez.

O primeiro lançamento anunciado foi Caravaggio Vol 2 – O Perdão, de Milo Manara, que já divulgamos o preview por aqui. Este volume retrata os últimos anos de vida do pintor, sempre perseguido por inimigos poderosos.

Também está prevista para este ano uma nova HQ da série Love and Rockets. Dando sequência à série iniciada em Sopa de Lágrimas e Diastrofismo Humano, esta nova Além de Palomar reúne em um só volume duas das mais elogiadas histórias publicadas por Gilbert Hernandez: “Rio Veneno” remonta à trágica infância da prefeita Luba, suas ligações com a máfia e as ligações desta com a extrema-direita latino-americana. Em “Love and Rockets X”, Gilbert Hernandez deixa o tempo mítico de Palomar e mergulha em uma outra dimensão, bem mais definida no tempo e espaço: a Los Angeles de 1989. É o momento em que o governo do Bush pai invade o Panamá e se prepara para a Guerra do Golfo, contra o Iraque. A HQ está em pré-venda.

Leia mais sobre quadrinhos em nosso site na página O Grito! Quadrinhos
Os melhores quadrinhos de 2019

Prof. Fall é uma adaptação do romance homônimo de Tristan Perreton feita pelo quadrinista Ivan Brun. Uma mistura de suspense com crítica social e fantasia.

Além de Palomar, de Gilbert Hernandez.

O francês Blutch também chega por aqui. Considerado um dos maiores nomes do quadrinho francês contemporâneo, o autor mistura seu traço alucinante com elementos de William Shakespeare, do clássico latino Satyricon e dos famosos filmes de “sandálias e espadas”, populares na Hollywood dos anos 1950. Em Péplum, um grupo de ladrões durante o Império Romano descobre uma bela mulher em uma caverna, presa em um gigantesco bloco de gelo. Eles discutem o que fazer com ela, mas se afundam em intrigas e acusações. Acreditando estar apaixonado pelo corpo congelado, o jovem Públio Cimbro inicia uma estranha e perigosa jornada para a capital, em busca de poder ou apenas sobrevivência.

Sensação das HQs independentes no exterior, Simon Hanselmann chega por aqui com Mau Caminho. Nascido na Tasmânia, Austrália, Hanselmann já é conhecido no mundo todo como um dos maiores nomes do novo quadrinho underground. Sua série Megg, Mogg & Owl esteve na lista de best sellers do New York Times e conquistou diversas indicações a prêmios como o Eisner, o Ignatz e o Angoulême. Mau Caminho é sua primeira publicação no Brasil e mistura a cínica comédia sobre uso de drogas com um hall de personagens bizarros, cercados por angústias e problemas, como o lobisomem traficante Jones e a transexual Booger.

Outra obra aclamada é Sabrina, de Nick Drnaso. Primeira graphic novel indicada ao Man Booker Prize, considerado o prêmio mais importante da literatura de língua inglesa. A história tem como ponto de partida o misterioso desaparecimento de uma mulher chamada Sabrina e mostra as consequências sociais e psicológicas que o evento traz para as pessoas a sua volta. Já Berlim é uma HQ iniciada em 1996 e concluída apenas em 2018, um grande romance em quadrinhos sobre o espírito das cidades e as narrativas que elas escondem. A história acompanha a vida de diversos habitantes da capital alemã entre o fim dos anos 1920 e o início dos anos 1930, do declínio da República de Weimar até os preâmbulos da Segunda Guerra Mundial. A editora prepara ainda a biografia de quadrinhos de Herbert Marcuse, de Nick Thorkelson.

Tem também o mangá Vida À Deriva, de Yoshihiro Tatsumi. Um dos mangakás mais importantes da história, Tatsumi é considerado o precursor e um dos principais expoentes do movimento gekigá, que levou os quadrinhos a encararem temáticas adultas e reflexões mais profundas. Escrita ao longo de onze anos, esta obra é uma vasta obra autobiográfica que aborda a vida e a carreira de Tatsumi de 1945 até 1960, ao mesmo tempo em que narra a ascensão e o desenvolvimento dos quadrinhos japoneses e da própria sociedade japonesa.

Pecora, de Marcelo Bicalho.

Brasileiros à vista

Entre as novidades brasileiras, a editora promete Reanimator, uma HQ de Juscelino Neco baseada na obra de H. P. Lovecraft. Já Beco do Rosário, de Ana Luiza Koehler acompanha as mudanças urbanísticas implementadas em Porto Alegre nos anos 1920 e oferece um poderoso comentário social sobre os processos de modernização da primeira metade do Século 20. A obra saiu originalmente de maneira independente e estava esgotada há muito tempo.

A Veneta prepara ainda A Alma Que Caiu do Corpo, de André Toral. O autor traça um painel sobre o contato, quase sempre violento, entre brancos e índios ao longo da história do Brasil e resgata as soluções de sobrevivência encontradas pelos próprios grupos indígenas. Aqui, eles não são as vítimas ou perdedores, mas sujeitos e protagonistas de suas próprias histórias, algumas vezes narradas em primeira pessoa. O livro reúne histórias publicadas no álbum Brasileiros (Conrad, 2009) e uma HQ inédita.

João Pinheiro (Carolina, Burroughs) apresenta Maurinho e Isaías, dois moradores da periferia de São Paulo, em A Tragédia dos Cães. Filhos da classe operária, a dupla tenta se sustentar com trabalhos na construção civil, pequenas fábricas locais e todo tipo de “bico sem futuro”. Nesse contexto de poucas oportunidades, os dois procuram afirmar suas identidades por meio da pichação, com seu grupo de pixo, os Cães.

Grande retorno aos quadrinhos do artista e ilustrador Marcelo Bicalho, conhecido das páginas da revista Animal, Pecora narra a saga de uma ovelha no mundo de seus sonhos e pesadelos: um lugar cruel, onde o humano e o selvagem se confundem. Neste mundo de traços e padrões incertos, o pequeno animal se vê fora de lugar, distante dos cuidados de seu pastor, perdido em algum ponto entre o céu e o inferno e cercado por demônios e ilusões. Com seu clima onírico e conceitual, Pecora é uma fábula moderna.

Leia Mais
Letrux lança o psicodélico clipe de “Eu Estou aos Prantos”, todo feito durante o isolamento