Além do argumento raso, filme falha em não desenvolver bem os personagens. (Foto: Jasin Boland/Disney.)

Thor: Amor e Trovão tem sua história camuflada pelas piadas

O novo filme da Marvel falha em desenvolver uma narrativa que se sustente e apresenta personagens rasos

Thor: Amor e Trovão tem sua história camuflada pelas piadas
2.5

Thor: Amor e Trovão
Taika Waititi
EUA,2022, 1h59, 12 anos. Distribuição Disney Studios
Com Chris Hemsworth, Natalie Portman, Tessa Thompson, Christian Bale

No ano de 1941, a Marvel lançou seu primeiro filme de super-herói: As Aventuras do Capitão Marvel. O longa era na verdade, um compilado da série televisiva de 12 capítulos já assistida por parte do público, porém foi o filme inaugural de um universo expansivo e plural, que tomaria conta das salas de cinema por décadas. Na atualidade, a Marvel já adentra a sua quarta fase no cinema, se despedindo de personagens aclamados pelo público, dando boas vindas a uma nova geração e, no meio disso, buscando consagração cada vez maior àqueles super-heróis e heroínas que permaneceram. 

Dessa forma, Thor: Amor e Trovão se enquadra justamente na terceira categoria e tenta provar que o Thor (interpretado por Chris Hemsworth) é capaz de se reinventar quantas vezes for preciso e continuar marcando o universo Marvel como um dos personagens mais queridos e poderosos. Talvez por essa sede de inovação, o novo longa-metragem traz para as telonas um estilo, digamos, mais piadista de contar sua história.

A premissa do filme é básica: o poderoso Thor, depois de se recuperar de seu estado de tristeza e inércia, ajuda os Vingadores na batalha contra o vilão Thanos e para seguir salvando pessoas (ou outros seres vivos), decide se juntar aos Guardiões da Galáxia. Quando ele percebe, porém, um nova ameaça em sua terra natal, Asgard, o herói decide voltar para casa e batalhar contra o vilão Gorr, um matador de deuses. Em paralelo na narrativa, também reencontramos Jane Foster (Natalie Portman), antiga namorada de Thor, que viaja até a terra do amado, onde é escolhida pelo antigo martelo do deus, Mjolnir, para ser a nova pessoa a empunhá-lo, se tornando a Poderosa Thor. Assim, Thor parte em uma aventura junto à ex namorada, a amiga de longa data, Rei Valquíria (Tessa Thompson) e Korg (Taika Waititi) para lutar contra Gorr (Christian Bale).

Trailer de Thor: Amor e Trovão

O grande problema da obra é que, mesmo com uma história simples e já comum no universo dos super-heróis, a narrativa se afunda completamente nas piadas e no humor constante. O diretor do longa, Taika Waititi é conhecido por filmes com passagens irreverentes, como Jojo Rabbit (2019), mas desta vez, muitas das falas soam forçadas e as situações enfrentadas pelos personagens, deslocadas da própria obra. 

A comédia em Thor tomou a frente em quase todas as cenas, apagando a narrativa e criando uma dificuldade em fazer com que o espectador sinta empatia pela história e personagens. Em meio a tantas pausas dramáticas para um punchline muitas vezes tosco, uma piada visual ou fala engraçadinha, os personagens foram engolidos e se tornaram quase totalmente sem graças. 

Natalie Portman como a Poderosa Thor é um dos destaques do longa. (Foto: Jasin Boland/Disney).

O grande protagonista do filme, Thor, sempre foi um super-herói carismático, que arranca risadas do público pela pose de importante e os comentários sem noção, mas também encanta com a compaixão e força de vontade. Em Amor e Trovão, porém, ele se torna quase um personagem de comédia pastelão de filmes americanos e todas as suas características supostamente engraçadas, quando elevada a um nível alto demais, tornam o personagem raso. 

Com a narrativa em segundo plano, é apenas no final da obra que cenas com menos risadas passam a acontecer, porém sem uma boa construção dos personagens, fica mais difícil se apegar a eles e consequentemente, a emoção sentida pelo espectador não é tão grande quanto poderia ser. 

O filme buscou uma mudança da fórmula perfeita já desenvolvida para os grandes protagonistas de filmes de super-heróis, o que vem sendo um projeto da Marvel com as séries aclamadas no Disney+ como WandaVision, Loki e What If?, além dos últimos filmes, tal qual Doutor Estranho e Shang-Chi, porém com Thor: Amor e Trovão, a intenção não vingou. 

Com espaço para explorar o sentimento de amor para além do romance vivido pelos protagonistas, Taika infelizmente não desenvolveu as relações e a grande lição que o filme busca passar fica ofuscada pelas piadas sem graça. 

Chris Hemsworth em cena de Thor: narrativa deslocada da trama. (Foto: Divulgação).

Mais resenhas de filmes

Leia Mais
Cobertura: Parada da Diversidade Pernambuco 2022, um retorno de protesto e música