Cena do ucraniano A Gangue. (Foto: Divulgação).

Cena do ucraniano . (Foto: Divulgação).

O festival Janela Internacional de Cinema do Recife entra no seu último final de semana com a programação mais eclética deste ano. O evento exibe desde Roberto Carlos em sua sessão de clássicos até o ultra-violento A Gangue, do ucraniano Miroslav Slaboshpitsky.

Leia Mais
Casa Grande e as tensões sociais nossas de cada dia
Turistas é thriller familiar tenso e divertido
Permanência, com Irandhir Santos, traz a dor de se lembrar
Poesia e alegorias do crescimento do Brasil marcam estreia

O sábado começa com as sessões matinê de Contos Cruéis da Juventude, no São Luiz, às 11h. O filme de Nagisa Ôshima é tido como o precursor da “Nouvelle Vague” japonesa. Nagisa filma seu país ainda no pós-Guerra, mas olhando para o futuro de jovens que querem romper com o passado e com as regras. A trama mostra o jovem casal, Makoto e Kiyoshi em uma relação desigual e violenta. No mesmo dia, às 11h no Cinema da Fundação passa a reprise do documentário musical Björk: Biophilia Live, que traz as experimentações da cantora islandesa em seu disco Biophilia, que explorou os sons da natureza.

Na tarde do sábado, o Janela exibe o longa , de William Friedkin, o mesmo de O Exorcista. O longa de 1977 é uma refilmagem norte-americana de O Salário do Medo, o clássico francês de Henri George-Clouzot. Na trama, em uma estrada perigosa homens são pagos para levar carregamento de explosivos em caminhões. É tido como um dos filmes mais tensos já feitos no cinema mundial. A exibição acontece após um problema na chegada da cópia que fez com que a sessão mudasse de horário (seria exibido na quarta).

Ainda na onda dos clássicos, que costumam lotar as sessões no Janela, o festival exibe Os Caçadores da Arca Perdida (1981), clássico absoluto de Steven Spielberg. No longa temos o herói retrô em uma aventura narrada em ritmo frenético, com inúmeras estradas e becos, caminhões e aviões. 30 anos antes de Bastardos Inglórios de Quentin Tarantino, os nazistas recebem uma vingança cinematográfica como nenhuma outra.

Roberto Carlos em ritmo de aventura, de 1968, é a versão brasileira de Roberto Farias para o longa dos Beatles feito por Richard Lester. Dirigido por um dos mais competentes realizadores brasileiros do cinema comercial e popular, o filme foi um sucesso de público. A projeção mistura imagens de ação com musicas de RC e Erasmo Carlos, na mais perfeita matinê brasileira até hoje. Será exibido no São Luiz em 35mm restaurado.

Cena de Sangue Azul, de Lírio Ferreira. (Divulgação).

Cena de , de Lírio Ferreira. (Divulgação).

Sertão mágico e brutalidade muda

O final de semana trará dois aguardados longas pernambucanos, ainda inéditos em circuito comercial. Ambos serão exibidos fora de competição. O primeiro é Sangue Azul, de Lírio Ferreira, e se passa em Fernando de Noronha. Na trama, há 20 anos, numa ilha vulcânica e paradisíaca, um menino de 10 anos foi separado de sua irmã. A mãe, temerosa que uma atração incestuosa se desenvolvesse entre os dois, mandou cada filho para um lugar. No entanto, o destino acaba unindo os dois. É um longa sobre amor proibido, mas também sobre o circo e o mar. A sessão encerra o Janela no domingo, às 20h.

, de Camilo Cavalcante, traz três histórias de amor e desejo em um vilarejo do Sertão. Com um olhar afetuoso, mas que foge dos clichês sertanejos, Camilo foi bastante elogiado quando exibiu o longa no último Festival de Paulínia.

O último grande destaque do final de semana é A Gangue, de Miroslav Slaboshpitsky. O filme ganhou o prêmio na Semana da Crítica no último Festival de Cannes. Diz a sinopse: Surdo-mudo, Sergey entra para uma escola especializada. Lá, encontra uma hierarquia ligada ao crime e à prostituição. Ao fazer parte de uma série de assaltos, ele entra para a gangue, mas acaba se envolvendo com uma das amantes do líder, quebrando, sem querer, as regras não escritas da “Tribo”. O longa chocou pelas cenas de sexo explícito e a violência e chama atenção pela homenagem que faz ao cinema mudo.

As entradas para os filmes custam R$ 4 e R$ 2 (meia), à venda nas bilheterias do cinema antes das sessões. Veja a programação do final de semana.

Sábado, 1

SÃO LUIZ
11h: CRUEL STORY OF YOUTH (96′)
13h30: MAD MAX 2 (95′)
13h – O COMBOIO DO MEDO (120′)
15h30: MES SÉANCES DE LUTTE (99′) c/ o diretor.
18h: LA VIE DE FAMILLE (95′) c/ o diretor
20h15: A HISTORIA DA ETERNIDADE (121′)
22h45: OS CAÇADORES DA ARCA PERDIDA (115′)

FUNDAJ
11h: BIOPHILIA, (97′)
13h45: CURTAS DISSENSO (93′) + debate
16h: LA MAMAN ET LA PUTAIN (217′)
20h: O COMBOIO DO MEDO (120′)

Domingo, 2

SÃO LUIZ
11h: ROBERTO CARLOS EM RITMO DE AVENTURA (97′)
15h: A FILHA DE RYAN (206′)
18h50: NOTURNO EM RÉCIFE MAIOR (35′)
20h: SANGUE AZUL (115′)

FUNDAJ
14h30: NÃO ME ESQUECE (93′)
16h30: A GANGUE (130′)
19h: J’ENTENDS PLUS LA GUITARE (108′)
21h10: LOVE STEACKS (89′)

Sem mais artigos