Cena do venezuelano El Amparo. (Divulgação).
Cena do venezuelano El Amparo. (Divulgação).
Cena do venezuelano El Amparo. (Divulgação).

A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo divulgou a lista de vencedores este ano. O prêmio de melhor filme foi para o excelente filme venezuelano El Amparo, de Robert Calzadilla, sobre a história verdadeira de um grupo de pescadores que é confundido com guerrilheiros e atraído para uma emboscada pelo exército. Dois deles sobrevivem por acaso e passam a ser perseguidos pelo Governo e pelo Exército, para desmentir sua versão.

O caso ocorreu em 1988, na cidade de El Amparo, fronteira com a Colômbia – o filme é uma coprodução. Chumba e Pinilla sobrevivem ao ataque armado nos canais do rio Arauca, no qual 14 de seus companheiros morreram. O Exército venezuelano os acusa de serem guerrilheiros e tenta tirá-los da célula onde estão sob a custódia de um policial e de um grupo de moradores locais que impedem que os levem dali para protegê-los. O júri internacional foi composto pela diretora americana Bette Gordon, o diretor paulista Jeferson De, a produtora argentina Lita Stantic, o diretor francês Nicolas Klotz, o diretor e produtor belga Peter Brosens, e o diretor de som português Vasco Pimentel.

Leia Mais
Os novos talentos da América Hispânica
A força do cinema polonês

O filme japonês Depois da Tempestade, de Hirokazu Kore-eda , foi o grande vencedor do prêmio internacional da crítica na mostra deste ano, ao lado do documentário Pitanga, de Camila Pitanga e Beto Brant. A 40ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo foi encerrada nesta quarta-feira (2) com a cerimônia de premiação ao ar livre, gratuita e aberta ao público, seguida da exibição de A General, clássico de Buster Keaton e Clyde Bruckman, com acompanhamento musical da Orquestra Heliópolis — um projeto do Instituto Baccarelli —, sob a regência do maestro norte-americano Robert Israel, compositor da nova trilha sonora do filme, que fará sua estreia mundial.

O público elegeu The Handmaiden, de Park Chan-Wook , da Coréia do Sul, thriller protagonizado por Sookee (Kim Tae-ri), contratada para trabalhar para uma herdeira nipônica, Hideko (Kim Min-Hee), durante a ocupação japonesa, e Era Uma vez no Hotel Cambridge, de Eliana Café, sobre dois refugiados recém-chegados ao Brasil que vão morar num velho edifício abandonado do centro de São Paulo com um grupo de sem-tetos.

A General: Clássico de Buster Keaton em versão restaurada.
A General: Clássico de Buster Keaton em versão restaurada.

O júri da crítica organizado pela Abraccine, formado por Willian Silveira (RS), Luciana Veras (PE) e Humberto Silva (SP), elegeu Mulher do Pai, de Cristiane Oliveira, como o melhor longa realizado por diretor estreante do festival “pela maneira terna e delicada no tratamento da relação entre um pai que não enxerga, uma filha adolescente e a professora de artes dos dois, que se insere entre os dois como presença disruptiva, pela dimensão humana com que são tratados personagens prosaicos na fronteira entre Brasil e Uruguai, pelo domínio de uma narrativa em que contrastes na psique dos personagens centrais se revelam de forma sutil, pelo equilíbrio entre estilística autoral e diálogo com o público”.

A cópia restaurada do longa, que completou 90 anos em 2016, foi exibida logo após o evento, às 20h30. As sessões no Ibirapuera fazem parte da programação da Mostra há cinco anos. O festival já exibiu Metrópolis, em 2010, Nosferatu, em 2012, Nathan, o Sábio, em 2013, O Circo, em 2014, e Meu Único Amor, em 2015. Keaton, além de codiretor, é protagonista da obra. Nela, o astro do cinema mudo vive o maquinista Johnnie Gray, um rapaz que tem duas grandes paixões na vida: sua locomotiva, “a General”, e a jovem Annabelle Lee. Quando a Guerra Civil Americana (1861-1865) tem início, ele não é aceito como combatente, uma vez que seria mais útil como engenheiro da linha férrea. Sua amada, no entanto, passa a achá-lo covarde por não lutar. É quando “a General” e Annabelle são sequestradas por espiões da União, e Johnnie precisará correr atrás de ambas, em uma movimentada aventura pela ferrovia.

A sessão  mais concorrida desta tarde foi, no entanto, Poesia sem fim, do chileno Alejandro Jodorowsky, (França, Chile, 2016) exibido na seção Perspectiva internacional e que integrou a Seleção oficial Directors’ Fortnight de Cannes este ano.

Pitanga foi um dos homebageados. (Divulgação).
Doc Pitanga, de Camila Pitanga e Beto Brant, venceu prêmio da crítica. (Divulgação).

Os prêmios  desta noite

Prêmio do Júri – Melhor Filme – Competição Novos Diretores
EL AMPARO, de Rober Calzadilla – Venezuela, Colômbia
 

Menções Honrosas do Júri
Mirjana Karanovic, atriz de A BOA ESPOSA – Sérvia, Bósnia-Herzegovina, Croácia
Lene Cecilia Sparrok, atriz de SÁMI BLOOD – Suécia

 
Prêmio Especial Abbas Kiarostami
MAAT, de Saba Kazemi – Irã
 

Prêmio do Público – Melhor Ficção Internacional
THE HANDMAIDEN, de Park Chan-Wook – Coreia do Sul
 

Prêmio do Público – Melhor Documentário Internacional
GURUMBÉ. CANÇÕES DE SUA MEMÓRIA NEGRA, de Miguel Ángel Rosales – Espanha
GAGA – O AMOR PELA DANÇA, de Tomer Heymann – Israel, Suécia, Alemanha, Holanda

 
Prêmio do Público – Melhor Ficção Brasileira
ERA O HOTEL CAMBRIDGE, de Eliane Caffé – Brasil, França

Prêmio do Público – Melhor Documentário Brasileiro
MARTÍRIO, de Vincent Carelli – Brasil
 

Prêmio da Crítica – Melhor Filme Internacional
DEPOIS DA TEMPESTADE, de Hirokazu Kore-eda – Japão
 

Prêmio da Crítica – Melhor Filme Brasileiro
PITANGA, de Beto Brant e Camila Pitanga – Brasil
 

Prêmio da ABRACCINE – Melhor Filme Brasileiro de Diretor Estreante
MULHER DO PAI, de Cristiane Oliveira – Brasil, Uruguai
 

Prêmio ABRA – Melhor Roteiro
EL AMPARO, de Rober Calzadilla – Venezuela, Colômbia

Prêmio Leon Cakoff
ANTONIO PITANGA
MARCO BELLOCCHIO
WILLIAM FRIEDKIN

Prêmio Humanidade
ANDRZEJ WAJDA

Veja as sessões de repescagem:

03/11/16 – Quinta
Sessão 1217 – 14:30
O SILÊNCIO DA NOITE É QUE TEM SIDO TESTEMUNHA DAS MINHAS AMARGURAS (O SILÊNCIO DA NOITE É QUE TEM SIDO TESTEMUNHA DAS MINHAS AMARGURAS), de Petrônio de Lorena
BRASIL. Falado em português. Legendas em português. Indicado para: 14 anos.

Sessão 1218 – 16:00
JUNCTION 48 (JUNCTION 48), de Udi Aloni (96'). ISRAEL, ALEMANHA, EUA. Falado em árabe, hebraico. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 anos.

Sessão 1219 – 17:50
A BOA ESPOSA (DOBRA ZENA), de Mirjana Karanovic (94'). SÉRVIA, BÓSNIA-HERZEGOVINA, CROÁCIA. Falado em sérvio. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 anos.

Sessão 1220 – 19:40
MATA ATLÂNTICA (MATA ATLÂNTICA), de Nicolas Klotz, Élisabeth Perceval (38'). BRASIL, FRANÇA. Falado em português, francês. Legendas em português. Indicado para: 14 anos.
Haverá debate após a sessão.

Sessão 1221 – 21:50
PARCEIROS DA NOITE (CRUISING), de William Friedkin (102'). EUA, ALEMANHA. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 anos.

04/11/16 – Sexta
Sessão 1222 – 14:30
A HORA DA RELIGIÃO (L'ORA DI RELIGIONE (IL SORRISO DI MIA MADRE)), de Marco Bellocchio. ITÁLIA. Falado em italiano. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 anos.

Sessão 1223 – 16:40
O QUARTO HOMEM (DE VIERDE MAN), de Paul Verhoeven (95'). HOLANDA. Falado em holandês. Legendas em alemão. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 anos.

Sessão 1224 – 18:40
DIÁRIO DE UM MAQUINISTA (DNEVNIK MAŠINOVODJE), de Milos Radovic (87'). SÉRVIA, CROÁCIA. Falado em sérvio. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: Livre.

Sessão 1225 – 20:40
ELLE (ELLE), de Paul Verhoeven (131'). FRANÇA, ALEMANHA. Falado em francês. Legendas em português. Indicado para: 18 anos.

05/11/16 – Sábado
Sessão 1226 – 14:30
OPERAÇÃO FRANÇA (THE FRENCH CONNECTION), de William Friedkin (104'). EUA. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 anos.

Sessão 1228 – 16:30
A MENINA SEM MÃOS (LA JEUNE FILLE SANS MAINS), de Sébastien Laudenbach (76'). FRANÇA.
Falado em francês. Legendas em português. Indicado para: Livre.

Sessão 1229 – 18:30
O APARTAMENTO (FORUSHANDE), de Asghar Farhadi (125'). IRÃ, FRANÇA. Falado em persa.
Legendas em português. Indicado para: 14 anos.

Sessão 1227 – 21:00
EL AMPARO (EL AMPARO), de Rober Calzadilla (99'). VENEZUELA. Falado em espanhol. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 anos.

06/11/16 – Domingo

Sessão 1230 – 14:30
INTRUSA (LA BALIA), de Marco Bellocchio (106'). ITÁLIA. Falado em italiano. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 anos.

Sessão 1231 – 16:30
MARTÍRIO (MARTÍRIO), de Vincent Carelli (160'). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 14 anos.

Sessão 1232 – 19:30
TRAMONTANE (TRAMONTANE), de Vatche Boulghourjian (105'). LÍBANO, FRANÇA. Falado em árabe. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: Livre.

Sessão 1233 – 21:30
PITANGA (PITANGA), de Beto Brant, Camila Pitanga (113'). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 12 anos.

07/11/16 – Segunda

Sessão 1234 – 14:30
CAMERAPERSON (CAMERAPERSON), de Kirsten Johnson (102'). EUA. Falado em inglês, bósnio, árabe, dari, haussá, fur. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 anos.

Sessão 1235 – 16:30
PERSONA (PERSONA), de Ingmar Bergman (85'). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 anos.

Sessão 1245 – 18:15
GAGA – O AMOR PELA DANÇA (MR. GAGA), de Tomer Heymann (100'). ISRAEL, SUÉCIA, ALEMANHA, HOLANDA. Falado em hebraico, inglês. Legendas em português. Indicado para: 12 anos.

Sessão 1236 – 20:15
DEPOIS DA TEMPESTADE (UMI YORI MO MADA FUKAKU), de Hirokazu Kore-eda (117'). JAPÃO. Falado em japonês. Legendas em português. Indicado para: 18 anos.

08/11/16 – Terça

Sessão 1239 – 14:30
SAMI BLOOD (SAMEBLOD), de Amanda Kernell (112'). SUÉCIA. Falado em sámi do sul, sueco. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 anos.

Sessão 1237 – 16:40
DIABO NO CORPO (IL DIAVOLO IN CORPO), de Marco Bellocchio (115'). ITÁLIA, FRANÇA. Falado em italiano. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 anos.

Sessão 1238 – 19:00
ERA O HOTEL CAMBRIDGE (ERA O HOTEL CAMBRIDGE), de Eliane Caffé (93'). BRASIL, FRANÇA. Falado em português, francês, árabe, espanhol, lingala, inglês. Legendas em português. Indicado para: 12 anos.

Sessão 1240 – 21:00
THE HANDMAIDEN (AH-GA- SSI), de Park Chan-wook (145'). CORÉIA DO SUL. Falado em coreano, japonês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 anos.

09/11/16 – Quarta

Sessão 1241 – 14:30
GURUMBÉ. CANÇÕES DE SUA MEMÓRIA NEGRA (GURUMBÉ. CANCIONES DE TU MEMORIA NEGRA), de Miguel Ángel Rosales (72'). ESPANHA. Falado em espanhol, português. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: Livre.

Sessão 1242 – 16:10
JUNCTION 48 (JUNCTION 48), de Udi Aloni (96'). ISRAEL, ALEMANHA, EUA. Falado em árabe, hebraico. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 anos.

Sessão 1243 – 18:10
MAAT (MAAT), de Saba Kazemi (92'). IRÃ. Falado em farsi. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: Livre.

Sessão 1244 – 20:10
LAVOURA ARCAICA (LAVOURA ARCAICA), de Luiz Fernando Carvalho (175'). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 14 anos.

Leia Mais
Daniel Rezende dirige filme inspirado na obra de Valter Hugo Mãe