Misturando ecos de new-wave, psicodelia e batidas eletrônicas, o disco gruda desde os primeiros acordes

vai te deixar em órbita com Titanic Rising
NOTA8

Em seu quarto disco, a cantora Natalie Mering atingiu o ápice de seu projeto Weyes Blood. Titanic Rising tem o apelo do dream-pop, da introspecção de um pop mais melódico e atmosférico, mas no entanto é opulento e bastante denso.

Misturando ecos de new-wave, psicodelia e batidas eletrônicas, o disco gruda desde os primeiros acordes. Parte disso se deve ao carisma e interpretação de Mering, que soa igualmente delicada e poderosa.

Leia mais críticas de novos discos aqui na Revista O Grito!

E tem também a produção meticulosa de Jonathan Rado, do Foxygen, que conseguiu conduzir os arranjos de modo a proporcionar uma jornada ao ouvinte que parece nos deixar em órbita.

WEYES BLOOD
Titanic Rising
[Sub Pop, 2019]
Sem mais artigos